sexta-feira, 19 abril 2024 - 5:17
spot_img

Ambulatório de Transplante Hepático da Fundhacre encerra o ano com mais de 1.800 atendimentos e recorde de procedimentos

O Ambulatório de Transplante Hepático da Fundação Hospital Estadual do Acre (Fundhacre), em Rio Branco, realizou 1.801 atendimentos a pacientes do pré e pós-transplante este ano. O setor conta com uma equipe multidisciplinar especializada, atendimento de enfermagem, psicologia e apoio administrativo, para agendamento de exames.

Mensalmente, atendimentos são realizados com o médico itinerante e responsável técnico pela equipe de transplante de fígado, Tércio Genzini, cirurgião do aparelho digestivo e de transplante de órgãos abdominais. Já durante a semana, às terças e quintas, os atendimentos ficam a encargo do médico cirurgião do aparelho digestivo e transplantes Aloysio Coelho.

Ambulatório do serviço de transplantes hepático encerra o ano com mais de mil atendimentos de pacientes do pré e pós transplantes. Foto: Gleison Luz/Fundhacre
Ambulatório realizou 1.801 atendimentos a pacientes do pré e pós-transplante este ano. Foto: cedida

Em 2023, o serviço atingiu o recorde de transplantes de fígado no estado, com a realização de 18 procedimentos, contabilizando 80 desde o início do programa, em 2014. O médico Tércio Genzini destaca o crescimento do número de atendimentos executados.

Em 2023, o serviço atingiu o recorde de transplantes de fígado no estado, com a realização de 18 procedimentos. Foto: Gleison Luz/Fundhacre

“É com muita alegria que a gente comemora este ano com recorde, o importante é que estamos crescendo e mantendo a qualidade. Estamos entre os maiores resultados no Brasil”, afirma Genzini.

“Estamos entre os maiores resultados no Brasil”, afirma o médico Tércio Genzini, sobre os transplantes de fígado no Acre. Foto: Gleison Luz/Fundhacre

O serviço ambulatorial é fundamental para que a cirurgia obtenha sucesso, contribuindo significativamente para a resposta positiva do paciente, desde a preparação, exames e medicação.

“O resultado de um transplante é todo um preparo no pré e no pós-operatório, além da disponibilidade de medicações, e esse tem sido um trabalho muito importante no hospital, onde os pacientes estão assistidos pelas medicações necessárias e realização de seus exames”, explica o cirurgião.

O serviço ambulatorial é fundamental para que a cirurgia obtenha sucesso. Foto: Gleison Luz/Fundhacre

O acesso ao atendimento com esses especialistas se dá por meio de encaminhamento médico para avaliação de transplante ou cirurgia hepatobiliopancreática.

Renascimento: uma nova vida pós-transplante de fígado

Sayonara Filgueiras da Silva realizou transplante de fígado dia 18 de outubro. A paciente estava em fila de espera desde agosto, devido ao quadro de cirrose biliar primária, uma doença hepática de causa autoimune caracterizada pela destruição progressiva dos ductos biliares intra-hepáticos, que faz com que o paciente acumule altas taxas de bilirrubina, causando amarelamento dos olhos e da pele, neuropatia, acúmulo de líquido no abdômen, fraqueza, prurido e feridas devido à fricção, prejudicando o bem-estar e a qualidade de vida.

“Sayonara já havia passado por algumas internações devido às complicações da doença e encontrava-se cada vez mais debilitada e precisando de um transplante de fígado com urgência. Um fator que ainda complicava encontrar um doador compatível pra ela era o tamanho e peso, pois Sayoara, com 1,56 de altura, pesava apenas 43 kg e, no caso do fígado, um dos critérios de compatibilidade é [a equivalência de] tamanho entre doador e receptor”, explica a coordenadora de transplantes da Fundhacre, Valéria Monteiro.

Sayonara Filgueiras da Silva passou por um transplante de fígado no dia 18 de outubro. Foto: Gleison Luz/Fundhacre

Assim, quando no dia 17 de outubro a equipe recebeu a notificação da Central Estadual de Transplantes de que havia um doador de 5 anos de idade, em Goiás, iniciou-se a corrida contra o tempo para a organização de toda a logística de deslocamento da equipe, captação, transporte e preparo para o implante em tempo hábil.

“Este momento tem sido para mim surreal; dizer que em setembro eu estava sem esperança e hoje, em dezembro, saber que vou viver de novo, vou estar com a minha família. Eu tinha uma preocupação de não conseguir chegar nem no Natal, porque eu estava muito debilitada. O fato de ter recebido o fígado de uma criança é como se Deus tivesse me abençoado realmente, porque eu teria que ir para outro estado para transplantar, devido à minha estatura. Vejo tudo como um verdadeiro milagre, um renascimento, hoje eu posso dizer que sou uma criança grande, porque o meu fígado é de uma criança, tenho idade de adulto, mas sou feliz como uma criança”, relata a paciente.

Ao lado da companheira, a transplantada Sayonara Filgueiras da Silva considera o novo fígado um renascimento. Foto: Gleison Luz/Fundhacre

Ao ser questionada sobre o atendimento ambulatorial, Sayonara relata que os profissionais sempre estão prontos a auxiliar: “Quando sinto algo, eles já procuram me ajudar e não me deixam na mão; esse atendimento pós-transplantes ajuda muito, pois precisamos nos adaptar para prosseguir a nova vida”.

Outros relatos de transplantados

“Mudou a minha vida, me sinto bem e feliz, já senti uma mudança”, diz Francinete Silva, de Porto Walter, paciente diagnosticada com cirrose hepática decorrente do vírus da hepatite B e hepatocarcinoma.

Francinete Silva, de Porto Walter, também recebeu transplante de fígado. Foto: Gleison Luz/Fundhacre

“É uma segurança que nós temos saber que esse apoio na saúde é para o nosso bem-estar. Sinto total segurança da equipe; já fui em outros estados e vejo aqui como uma referência, não conheço outro lugar que tem essa atenção. Sou grato ao governo e a toda a equipe”, conta o paciente Valdécio Gomes, transplantado há um ano e oito meses por cirrose hepática decorrente do vírus da hepatite B.

Transplantado Valdécio Gomes durante atendimento ambulatorial. Foto: Gleison Luz/Fundhacre

“As meninas se disponibilizam a ajudar, me sinto cuidada, abençoada e muito privilegiada, porque nas horas que estamos mais precisando elas estendem as mãos, além dos atendimentos com os médicos, que é muito bom”, relata Evilene Martins, que recebeu novo fígado em julho, devido a cirrose hepática decorrente do vírus da hepatite B.

Evilene Martins, transplantou em julho de 2023 por cirrose hepática decorrente. Foto: Gleison Luz/Fundhacre

Compartilhe:

spot_img

Notícias relacionadas :

spot_img
spot_img

NÃO DEIXE DE LER

spot_img

VEJA O QUE ACONTECE NO BRASIL E NO MUNDO