quinta-feira, 29 fevereiro 2024 - 4:09
spot_img

Bocalom reúne secretários e amplia ações de socorro às vítimas da enchente em Rio Branco

O prefeito Tião Bocalom, que cumpria agenda em Manaus, chegou na madrugada deste sábado (25) e, imediatamente pela manhã, reuniu-se com secretários para alinhamento das ações de assistência às vítimas das enxurradas e enchente.

O prefeito informou que a ajuda do governo federal nesse primeiro momento será humanitária e a prefeitura está destinou 5 milhões de reais de recursos próprios para atender as 32 mil pessoas atingidas até o momento.

“Nossa equipe não parou, nossa vice-prefeita atuando como prefeita foi para a rua, viraram a noite ontem, essa noite de novo continuaram cuidando dos abrigos, ajudando naquilo que foi possível. Agradeço imensamente a toda essa equipe guerreira que foi para rua, nos reunimos agora a partir das 7h da manhã com toda equipe e já ficou alinhado uma série de ações porque agora os igarapés começam a baixar e começam a aparecer outros tipos de problemas que precisam ser solucionados.”

Um dos bairros mais atingidos, segundo o coronel Falcão, coordenador municipal da Defesa Civil, foi o Recanto dos Buritis que teve 90 % da região afetada.

Segundo ele, pelo menos 2 mil pessoas estão desalojadas (em casa de parentes ou amigos) e 500 nos abrigos municipais. Ele afirma ainda, que a retração das águas nos igarapés é lenta e o rio Acre permanece enchendo. Pelo menos 30 bairros foram atingidos e 32 mil pessoas afetadas com a cheia. Durante a reunião ficou acertada a montagem de uma sala de situação para dar celeridade aos atendimentos.

“É por isso que a prefeitura aumenta e amplia suas ações nesse momento, estamos com a construção de abrigos e a preparação do parque de exposição, estamos com 24 abrigos ativos. A prefeitura continua com suas ações efetivas, envolvendo todas as secretarias inclusive agora com a criação da sala de situação, onde terá um representante de cada secretaria para que essas ações não sofram processo de descontinuidade e nós aceleremos mais ainda as ações da prefeitura através da coordenação geral da Defesa Civil.”

A secretaria municipal de Assistência Social e Direitos Humanos (SASDH) tem realizado todo o cadastramento das famílias acolhidas, com suporte e alimentação, que está sendo subsidiada pelo Restaurante Popular, fornecendo 2 mil refeições diárias, incluindo café da manhã, almoço e janta.

“Os abrigos são regionalizados, então por conta de ter sido instalado numa situação de enxurrada, as escolas foram recebendo o ‘start’ para receber as famílias, pois tem a sala para poder acolher a família. Hoje são 24 abrigos, de ontem para hoje nós temos que avançar em abrir mais 3 abrigos, não é um grande parque de exposições, são estruturas regionalizadas porque quase sempre a pessoa está na comunidade, é uma estrutura que tem que ser operacionalizada para todos os bairros, envolve uma logística imensa, mas tem funcionado”, explicou o diretor de Assistência Social da SASDH, Jeferson Barroso.

A Secretaria Municipal de Saúde (Semsa) está com diversas ações para alcançar e facilitar o atendimento em saúde para os necessitados. Sob o comando da Defesa Civil, a saúde tem abastecido os abrigos com água potável e mineral, kits de limpeza que serão distribuídos após a baixa das águas, além da construção de uma unidade de saúde no parque de exposições, onde ficarão as famílias desabrigadas pela cheia do rio.

A secretária da Semsa, Sheila Andrade, informou que dentro da situação de desastre, calamidade, os atendimentos das URAPS foram alterados para poder facilitar a busca por remédios, pois muitas pessoas perderam seus remédios e receitas.

“Nossas unidades vão estar até as 17h no sábado, e se necessário, poderemos ter duas unidades para ficar até as 22h, fora isso, nós estamos com equipe montadas, enfermeiros, técnicos de enfermagem indo em todos os abrigos, verificando a situação de hipertensos, diabéticos, crianças altistas que nós temos nos abrigos, idosos, e verificando toda a situação dessas pessoas em relação a saúde.”

Sheila informou que um abrigo também foi montado no parque de exposições para os animais domésticos pertencentes as vítimas da cheia.

“Montamos desde ontem, o abrigo dos animais domésticos, estamos recebendo lá, etiquetando direitinho para saber quem é o dono, estamos vacinando, e estamos com uma proposta para cada dono quando for recuperar seu animal para fazermos a castração, a gente está com alimentação para esses animais, remédios, e uma equipe toda preparada do setor de zoonoses com medico veterinário, dando atenção aos amimais.”

Outra medida necessária no atendimento de emergência foi a suspensão das aulas para que as escolas servissem de abrigo as famílias.

“O Município foi o primeiro a alojar as pessoas nas escolas municipais, inclusive o primeiro local é o bairro da Paz. Logo em seguida outra escola, e nos estamos já assim com outras escolas do Segundo Distrito. Além disso, estamos com pessoal, carros foram disponibilizados, até a roçagem foram todos disponibilizados para a Defesa Civil, nossos funcionários também, muitos estão sendo voluntários e o que podemos, estamos fazendo, visitas, vendo local, o que precisa, fazendo o possível e o impossível também”, secretaria municipal de Educação, concluiu a secretaria municipal de Educação, Nabiha Bestene.

Compartilhe:

spot_img

Notícias relacionadas :

spot_img
spot_img

NÃO DEIXE DE LER

spot_img

VEJA O QUE ACONTECE NO BRASIL E NO MUNDO