sexta-feira, 1 março 2024 - 20:39
spot_img

Puxado pela castanha e borracha, extrativismo no AC tem crescimento de 6,6% em 2022

Acre produz mais 10 mil toneladas de borracha e castanha e se destaca em pesquisa do IBGE — Foto: Agência Pará/Divulgação e SOS Amazônia

O valor de produção de produtos vegetais, como de castanha-do-brasil, e da silvicultura, como a borracha, foi o maior dos últimos 12 anos em 2022. Isto é o que aponta a Pesquisa do Extrativismo Vegetal e da Silvicultura (PEVS), divulgada na última quarta-feira (27) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

No geral, o valor de produção da PEVS é dado como o maior dos últimos 12 anos e em 2022 este valor totalizou R$ 123,1 milhões, um crescimento de 6,6% comparado a 2021. Em 2022, os grupos alimentícios (53%) e madeiras (42,2%) responderam por 95,2% do valor de produção.

Conforme o levantamento, em 2022 foram produzidas mais de 9,1 toneladas de castanha, que encerrou o ano com um valor de produção de R$ 58,6 milhões, crescendo 12%. O IBGE aponta ainda que o produto vegetal foi o grande responsável pelo aumento pelo adicional de valor bruto gerado (83%), que vem em uma recuperação de preços.

Os cinco principais municípios produtores de castanha são:

  • Xapuri (21%);
  • Brasiléia (17%);
  • Rio Branco (17%);
  • Sena Madureira (15%);
  • Epitaciolândia (11%).

O Alto Acre é responsável por 50% da castanha coletada no Acre, Baixo Acre vem com 34% e Purus, 15%.

Borracha

A produção de borracha, responsável por 4,8% do valor bruto, fechou o ano com preço médio de R$15 o quilo, e 389 toneladas exploradas em 2022.

Xapuri concentra quase 40% da produção de borracha do AC em 2022 — Foto: Reprodução TV TEM

Xapuri concentra quase 40% da produção de borracha do AC em 2022 — Foto: Reprodução TV TEM

Os cinco principais municípios produtores de borracha são:

  • Xapuri (38%);
  • Sena Madureira (19%);
  • Tarauacá (10%);
  • Brasiléia (8%);
  • Feijó (5%).

Novamente, o Alto Acre foi responsável por 49% da borracha coletada no Acre. Purus vem em seguida com com 19%, Tarauacá/Envira com 18% e Baixo Acre com 14%.

Madeira

O grupo madeiras, formado por madeira em tora, lenha e carvão vegetal, fechou 2022 com um valor de produção de R$ 43,4 milhões, com variação estável de -0,25% do valor bruto, após ter passado por um crescimento expressivo da extração em 2021 em relação a 2020.

O levantamento mostra que a extração da madeira fechou em mais de 409 metros cúbicos (m³), um recuo de 7,6%, puxado pela redução da extração da madeira manejada nos dois principais munícipios: Feijó e Rio Branco. No município do interior, a extração em 2022 foi de 89.479m³ (redução de 34,8% em relação a 2021) e na capital acreana, a extração ficou em 75.683m³ (redução de 36,7%).

Queda na produção de madeira não foi maior em razão da variação positiva em Porto Acre — Foto: Valdecir Galvan/RPC Ponta Grossa

Queda na produção de madeira não foi maior em razão da variação positiva em Porto Acre — Foto: Valdecir Galvan/RPC Ponta Grossa

A queda no total extraído de madeira não foi maior, segundo os dados, em razão da variação positiva registrada em Porto Acre, que explorou 74.990 m³, um crescimento de 56,2% em relação a 2021.

As principais regionais são Baixo Acre (46% do volume explorado) e Tarauacá/Envira, com 36%.

Com relação à produção de lenha, a PEVS captou uma continuidade na queda da extração, em razão da substituição do produto por fontes de energia alternativas, ou então pela aquisição de lenha de outro estado, como é o caso de Rondônia.

Os quatro principais municípios produtores de lenha são:

  • Cruzeiro do Sul: 58.523 m³;
  • Marechal Thaumaturgo: 31.500 m³;
  • Tarauacá: 30.000 m³;
  • Feijó (25.500 m³).

G1 AC

Compartilhe:

spot_img

Notícias relacionadas :

spot_img
spot_img

NÃO DEIXE DE LER

spot_img

VEJA O QUE ACONTECE NO BRASIL E NO MUNDO