sexta-feira, 1 março 2024 - 20:45
spot_img

Rio Branco tem a menor inflação dos últimos 4 anos; alimentação e bebidas variam só 0,49%

Em Rio Branco, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) de dezembro de 2023 foi de 0,90% e ficou 0,86 ponto percentual (p.p.) acima da taxa de novembro (0,04%). Em dezembro de 2022, a variação havia sido de 1,32%. Na capital, o IPCA fechou o ano com alta acumulada de 4,62%, a mesma taxa do Brasil. Foi a menor variação do IPCA dos últimos 4 anos, conforme pode ser observado no gráfico abaixo.

Para o Brasil, o IBGE calcula o IPCA após faz um levantamento mensal, em 16 áreas urbanas do País (incluindo Rio Branco). São levantados, aproximadamente, 430 mil preços em mais de 30 mil locais. Todos esses preços são comparados com os preços do mês anterior, resultando num único valor que reflete a variação geral de preços ao consumidor no período.

Dentre os nove grupos de itens que compõem o IPCA, quatro mostram-se mais relevantes, uma vez que representam 72% da cesta de consumo de Rio Branco. São eles: transportes (23,7%), alimentação e Bebidas (23,3%), saúde e cuidados pessoais (12,7%) e habitação (12,3%).

Em 2023, em Rio Branco, seis grupos de bens e serviços ficaram abaixo do Índice Geral

Os grupos contidos na tabela abaixo apresentaram índices de variação abaixo do índice geral que foi de 4,62%. A somatória desses seis grupos, representam 61% do índice geral, que justificam a baixa variação nos preços na capital.

O Destaque foi o grupo de alimentação e bebidas que variou somente 0,49% em 2023. Para se ter uma ideia, em 2022, a variação do grupo foi de 10,38%. Esse grupo é dividido em dois subgrupos: alimentação no domicílio e alimentação fora do domicílio. O primeiro apresentou deflação de -0,67%, influenciado pela queda nos preços da cebola (-29,99%), do abacate (-27,54%) e do óleo de soja (-25,49%). Por outro lado, o segundo subgrupo (alimentação fora do domicílio), apresentou uma variação de 4,66%, influenciado pela alta nos preços do sorvete (10,22%), da cerveja (6,92%) e do lanche (6,73%). Como o peso do subgrupo de alimentação no domicílio é bem maior que o do outro subgrupo, fez com que o grupo de alimentação ficasse numa variação de somente 0,49% no ano.

Em 2023, em Rio Branco, somente três grupos de bens e serviços ficaram acima do Índice Geral

Já os grupos contidos na tabela abaixo apresentaram índices de variação acima do índice Geral. A somatória desses três grupos, representam somente 39% do índice geral, o que também justificam a baixa variação nos preços na capital.

O Destaque foi o grupo dos transportes, aquele que, como observamos anteriormente, apresenta o maior peso dentre os nove grupos pesquisados. O grupo dos transportes variou 9,63% em 2023. Para se ter uma ideia, em 2022, a variação do grupo foi de somente 1,25%, depois de ter variado 20,44% em 2022.

 O grupo dos transportes é dividido em três subgrupos: transporte público de variou 13,28%; veículo próprio que variou 4,92% e o subgrupo dos combustíveis de veículos que variou 19,54%.

Nos transportes públicos as influências maiores foram das passagens aéreas que cresceram 39,29% e o preços das passagens dos ônibus interestaduais que subiram 10,31%. Já no subgrupo dos combustíveis de veículos, a maior influência foi da gasolina, que subiu 19,54%.

Ao acessar o site do IBGE o leitor terá acesso à variação de todos os preços pesquisados ao longo do ano pelo Instituto, por grupo, subgrupo e itens (https://sidra.ibge.gov.br/home/ipca/brasil).

Uma das justificativas apontadas pelo IBGE, para o baixo IPCA de 2023, principalmente para o grupo dos alimentos, foi o aumento da temperatura e o maior volume de chuvas em diversas regiões do país, que influenciaram a produção dos alimentos, principalmente dos in natura, como os tubérculos, hortaliças e frutas, que são mais sensíveis a essas variações climáticas.

A explicação para a alta variação do grupo dos transportes, o IBGE justifica que o fato da gasolina ser o subitem de maior peso entre os 377 pesquisados pelo IPCA, que em Rio Branco subiu 19,54% no ano e terminou influenciando, negativamente, no aumento do índice.

A baixa variação do grupo de produtos alimentícios foi o indicador a ser comemorado, pelo peso que ele representa no índice geral e, principalmente, porque ela impacta diretamente nas condições de vida da maior parte das famílias acreanas que estão na pobreza e na extrema pobreza.

Compartilhe:

spot_img

Notícias relacionadas :

spot_img
spot_img

NÃO DEIXE DE LER

spot_img

VEJA O QUE ACONTECE NO BRASIL E NO MUNDO