sábado, 25 maio 2024 - 15:45
spot_img

“Zona Azul” será reativada em Rio Branco, após prefeito chamá-la de “indústria de multas do PT”

O prefeito de Rio Branco, Tião Bocalom (Progressistas), deve ser reunir na próxima segunda-feira com técnicos de uma empresa de fora do Acre, para dar início ao processo de reativação do estacionamento Zona Azul, que já funcionou no centro da Capital, e foi desativado por ele no início da gestão.

Muito criticado por Bocalom durante a campanha de prefeito, que o classificava como “indústria de multas do PT”, o estacionamento “Zona Azul” deverá ter outro nome. Também serão feitas algumas mudanças na tecnologia de cobrança, assim como na forma de fiscalização e controle.

Mas o principal continua: a nova “Zona Azul” vai usar os espaços públicos do centro da capital como estacionamento pago, e motivo para autuação dos motoristas por “estacionamento em local indevido”, caso não paguem as taxas cobradas na nova “Zona Azul”, exatamente como era no passado, quando foi implantando na gestão do então prefeito Marcos Alexandre (PT).

De acordo com uma fonte ouvida pelo Acrejornal, a nova “ Zona Azul” de Rio Branco vai funcionar em sistema de crédito eletrônico, com o uso de um cartão recarregável, que pode ser reutilizado mediante pagamento. Sensores eletrônicos  serão colocados no solo em cada uma das vagas, e o mecanismo vai identificar automaticamente se o cartão do condutor que estacionou o veículo possui créditos suficientes para estacionar naquele local.

Caso o cartão esteja “carregado” será descontado o valor correspondente ao tempo que o veículo permaneceu no local. Caso o cartão não tenha crédito, o condutor receberá uma notificação para regularizar o débito. Em caso de inadimplência, o dono do veículo será autuado por infração de trânsito, e multado por estacionamento em local indevido.

Em Rio Branco o funcionamento do estacionamento Zona Azul sempre foi envolto em polêmicas, por conta do alto número de multas que condutores desavisados recebiam por não pagar as taxas cobradas, daí o mecanismo passou a ser chamado pejorativamente de “indústrias de multas do PT”. Outro ponto negativo é o fato do poder público não se responsabilizar por danos aos veículos.

Quem advoga a favor da “Zona Azul, entretanto, alega que o sistema melhora o fluxo do trânsito de veículos no centro, e mediante a rotatividade fica mais fácil encontrar vagas disponíveis nas ruas e avenidas da área central de Rio Branco.

 

 

 

Compartilhe:

spot_img

Notícias relacionadas :

spot_img
spot_img

NÃO DEIXE DE LER

VEJA O QUE ACONTECE NO BRASIL E NO MUNDO