domingo, 14 julho 2024

Ações do Proerd chegam a municípios do interior e comunidades indígenas

Para promover cidadania e segurança, a Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública do Acre (Sejusp), por meio da Polícia Militar realiza, desde o dia 19 de maio, ações itinerantes do Programa Educacional de Resistência às Drogas e à Violência (Proerd) nos municípios do estado.

Ações do Proerd chegam a municípios do interior e comunidades indígenas do estado por meio do Centro Integrado de Operações Aéreas (Ciopaer). Foto: Dhárcules Pinheiro/Sejusp

O programa, que tem como objetivo conscientizar as crianças em fase de formação para o desenvolvimento da cidadania por intermédio de políticas antidrogas, teve início em Santa Rosa do Purus e atualmente está no município do Jordão, devendo ser finalizado no domingo, 2. A próxima cidade é Porto Walter, de 2 a 9 de junho, seguido de Marechal Thaumaturgo, de 9 a 16 de junho. Além desses, também está prevista a abertura de duas turmas em Tarauacá.

Comunidade em Santa Rosa do Purus. Foto: cedida

O secretário de Segurança Pública, coronel José Américo Gaia, destaca que a ação é fundamental para a garantia das informações e da segurança nos lugares de difícil acesso. “É fundamental que as comunidades mais afastadas, as ribeirinhas e indígenas tenham acesso ao Proerd, que é uma política antiviolência que leva os conceitos de segurança a serem aplicados à vida, desenvolvendo o exercício da cidadania entre os futuros chefes do Estado, que são as crianças e adolescentes”, disse.

Secretário José Américo Gaia: “Conceitos de segurança aplicados à vida”. Foto: Dhárcules Pinheiro/Sejusp

Para ir a esses locais, a Polícia Militar conta com o apoio da Segurança Pública, por meio do Centro Integrado de Operações Aéreas (Ciopaer), já que, em muitos desses lugares, o acesso é apenas por via aquática e aérea, como destaca diretora operacional da PM, coronel Marta Renata Alves: “Sem esse apoio, não conseguiríamos chegar a essas localidades de difícil acesso, como Santa Rosa e Jordão. É uma parceria indispensável para nós”.

Diretora operacional da Polícia Militar falou da importância da parceria. Foto: Dhárcules Pinheiro/Sejusp

A coordenadora estadual de Polícia Comunitária e Direitos Humanos, tenente-coronel Ana Cássia Monteiro explica que, apesar de as agendas estarem marcadas até o fim de março, as ações não se encerram.

Tenente-coronel Ana Cássia Monteiro, coordenadora estadual de Polícia Comunitária e Direitos Humanos, disse que as ações são permanentes. Foto: Dhárcules Pinheiro/Sejusp

“A gente fez ano passado, estamos fazendo este ano e vamos continuar fazendo. São ações permanentes. Só que tem um período de espaçamento para outras demandas, porque o policiamento comunitário compreende diversas ações como policiamento escolar, o Proerd, Guardiões da Paz, Semeando Futuro, Sementinhas do Futuro, Jiu Jitsu com a PM, Funcional com a PM e Juntos pelo Acre”.

Proerd nas comunidades indígenas

Comunidade em Santa Rosa do Purus participou das ações. Foto cedida

Paralelo ao Proerd Itinerante, também está em trânsito o Proerd nas Aldeias, que é um projeto que surgiu em uma visita do 7º Batalhão da Polícia Militar (7°BPM) à Terra Indígena (TI) Igarapé do Caucho, em Tarauacá.

O coordenador estadual do Proerd, tenente-coronel José Jamisson Neri, explica quais serão as próximas ações do programa. “Estamos indo ao Caucho para uma reunião novamente com as lideranças indígenas, pais e professores da comunidade. Após finalizar essa visita, semana em que vem há uma visita à Terra Indígena Kaxinawá, aldeia Colônia Vinte e Sete, com o mesmo propósito. Estamos concluindo o planejamento, fazendo o levantamento de quantos alunos poderemos atender. Inicialmente será de forma intensiva”, relata.

Inicialmente as comunidades que sertão atendidas serão dos povos Huni Kuĩ (kaxinawá), em Tarauacá, os Yawanawá, na TI Rio Gregório e os Ashaninka, TI Kampa e Isolados do Rio Envira, em Feijó.

spot_img

Notícias relacionadas :

NÃO DEIXE DE LER

VEJA O QUE ACONTECE NO BRASIL E NO MUNDO