sábado, 25 maio 2024 - 5:01
spot_img

Caixa Econômica Federal tem lucro recorrente de R$ 2,9 bi no 4º tri, alta anual de 40,5%

São Paulo, 27/02/2024 – A Caixa Econômica Federal encerrou o quarto trimestre de 2023 com lucro líquido recorrente de R$ 2,869 bilhões, valor 40,5% maior que o do mesmo período do ano anterior. Pelo critério contábil, que inclui efeitos não recorrentes, o resultado do banco público no período foi de R$ 3,975 bilhões, alta de 82,7% em um ano.

No ano de 2023, o lucro da Caixa subiu 15,5% pelo critério recorrente, para R$ 10,626 bilhões. O ano foi de recordes para o banco: ao longo de 2023, a Caixa registrou R$ 544,3 bilhões em contratações de crédito, crescimento de 6,8% em relação a 2022 e o maior patamar da história. No quarto trimestre, a concessão foi 13,5% maior que a do mesmo período de 2022, chegando a R$ 140,6 bilhões.

O último trimestre do ano retrasado foi de desaceleração na Caixa, que teve de reduzir o ritmo após estourar o orçamento de crédito para o ano em meio às eleições presidenciais de 2022, em que o ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) acabou sendo derrotado. Além de reduzir o ímpeto, o banco buscou reforçar a captação de recursos para manter a resiliência do balanço.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

Com as captações resolvidas e a troca de governo, a Caixa voltou a conceder crédito com maior velocidade. A carteira do banco cresceu 10,6% em um ano, chegando a R$ 1,119 trilhão no final de 2023, puxada pelas altas de 14,6% no crédito imobiliário e de 27,3% no crédito para o agronegócio.

O retorno sobre o patrimônio líquido (ROE, na sigla em inglês) do banco foi de 8,5% no quarto trimestre, alta de 0,6 ponto porcentual em um ano. O patrimônio líquido da Caixa somava R$ 128,5 bilhões no final de dezembro, crescimento de 4,8% em relação a dezembro de 2022. Os ativos, por sua vez, chegaram a R$ 1,8 trilhão, alta de 15,2% em um ano.

A margem financeira bruta do banco, que reflete os ganhos com operações que rendem juros, foi de R$ 17,532 bilhões, alta de 17,1% em um ano. Houve um crescimento de 3,4% nas receitas com as operações de crédito, que foram de R$ 30,4 bilhões no trimestre. Para chegar à margem, a Caixa desconta do total o custo da intermediação financeira, o que inclui em especial os custos de captação.

As despesas de intermediação aumentaram 4,6% em um ano, em especial graças ao aumento de 180,4% nos custos com recursos de emissões de títulos e valores mobiliários. Ao todo, os depósitos de clientes chegaram a R$ 714,074 bilhões, um crescimento de 18,6%, puxado por depósitos a prazo e letras, que têm custo de captação maior.

Se considerados os fundos administrados pelo banco, como o Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), o ativo total da Caixa subiu a R$ 3,214 trilhões, alta de 11,5% em um ano.

Compartilhe:

spot_img

Notícias relacionadas :

spot_img
spot_img

NÃO DEIXE DE LER

VEJA O QUE ACONTECE NO BRASIL E NO MUNDO