sábado, 13 julho 2024

Cooperacre reúne em Rio Branco parceiros e extrativistas para impulsionar bioeconomia

   

1º Encontro de Fortalecimento da Produção Agroextrativista discute alternativas para potencializar cadeias da borracha, castanha, café e polpa de fruta.

A prática extrativista concilia a geração de renda para muitas famílias e a manutenção da floresta em pé. Para buscar alternativas que possam potencializar a produção agroflorestal e discutir os desafios que precisam ser superados para consolidar cadeias produtivas sustentáveis, a Cooperacre, em parceria com a Fetacre, a SOS Amazônia, o CNS e o Sistema OCB/AC, reúne cerca de 200 extrativistas durante o 1º Encontro de Fortalecimento da Produção Agroextrativista da Rede Cooperacre.

Durante dois dias, os extrativistas ligados à produção de borracha, castanha, café e polpa de frutas se encontram no Centro de Convenções da Universidade Federal do Acre e participam de grupos de trabalho para avaliar os desafios da produção agroextrativista que são identificados em cada regional do Acre. O encontro reúne produtores de 18 dos 22 municípios do estado e também da cidade de Iñapari, no Peru. Durante os painéis de discussão, os extrativistas compartilham experiências e alternativas que possam trazer renda e qualidade de vida para quem vive na floresta.

“Precisamos muito manter a floresta em pé, mas precisamos que as pessoas que moram na floresta tenham uma vida digna, no aspecto social, cultural, ambiental, patrimonial e econômico. Porque sem isso não temos condição de chegar no médico, não temos condição de fazer uma viagem, não temos esse conjunto de fatores para uma vida digna na floresta”, conta Anacleto Maciel, extrativista da Colocação Boa Vista na Resex Chico Mendes.

A produção familiar foi um dos temas abordados na abertura do encontro, realizada neste domingo (19), no Sebrae, que contou com a participação de Milton Fornazieri, secretário de Abastecimento, Cooperativismo e Segurança Alimentar do Ministério do Desenvolvimento Agrário. “A agricultura familiar é responsável por 70% da produção de alimentos que vão para a mesa dos brasileiros. São alimentos saudáveis, livres de veneno e agrotóxicos. Desejo que possamos sair desse encontro mais fortalecidos, dando passos para uma nova vida na floresta”, destacou Fornazieri.

Manoel Monteiro, superintendente da Cooperacre, relembra que, nos últimos quatro anos, o setor extrativista ficou fragilizado pela ausência de incentivos e políticas afirmativas e que agora o desafio é ampliar o papel da Cooperacre no contexto regional e fortalecer associações e cooperativas locais para aumentar a produção dos territórios. “A Cooperacre é o ponto central dessas organizações comunitárias para que o produtor possa alcançar mercados mais promissores. Para isso é preciso nivelar o direcionamento desses investimentos e superar gargalos relacionados à logística e escoamento da produção”, avalia Monteiro.

Atualmente, a Cooperacre possui 22 associações e cooperativas filiadas, que atuam no fortalecimento das cadeias produtivas da borracha, castanha-da-amazônia, café, palmito e polpa de frutas. Além do Acre, adquire matéria-prima dos estados do Amazonas, Mato Grosso e Pará, com negociação para ampliar essa relação comercial com os estados do Amapá e Roraima e os com os países vizinhos Peru e Bolívia.

Em 2022, movimentou mais de 38 milhões de reais em bioeconomia, beneficiando diretamente cerca de quatro mil famílias extrativistas. Somente na cadeia da borracha, foram produzidas 720 toneladas, gerando 8,6 milhões de reais. Com a coleta da castanha, o retorno ao produtor foi ainda maior: 24,5 milhões de reais com a comercialização de 350 mil latas de castanha (cada lata custa em média 70 reais). Já na cadeia do café, a expectativa para 2023 é comprar cerca de seis mil sacas, gerando 650 mil reais.

O jovem extrativista Rian Barros, da Resex Chico Mendes, acredita que as discussões promovidas pela Cooperacre terão um desdobramento positivo em cada comunidade, tanto no aspecto econômico como no aspecto social, especialmente para a formação de novas lideranças. “É muito importante a realização desse encontro, principalmente para nós, jovens, que queremos permanecer nos nossos lugares, produzindo e protegendo a floresta, agregando valor assim como nossos antepassados”, valoriza Rian.

Sobre o encontro

O 1º Encontro de Organizações Agroextrativistas do Acre é realizado pela Cooperativa Central de Comercialização Extrativista do Acre (Cooperacre), Federação dos Trabalhadores na Agricultura (Fetacre), SOS Amazônia, Conselho Nacional de Populações Tradicionais (CNS) e Organização das Cooperativas do Brasil (OCB/AC), com o apoio da empresa Veja, GIZ Brasil, Frente Parlamentar do Cooperativismo (Frencoop), Secretaria de Planejamento do Acre (Seplan), por meio do Programa REM Acre – Fase II, Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), Universidade Federal do Acre (Ufac) e Instituto de Estudos da Amazônia (IEA).

spot_img

Notícias relacionadas :

NÃO DEIXE DE LER

VEJA O QUE ACONTECE NO BRASIL E NO MUNDO