sábado, 22 junho 2024
spot_img

Do Acre para a China e da China para o Acre

A China, desde a década de 80, por iniciativa do seu líder Deng Xiaoping, que enfrentou todo o regime conservador, vem passando por uma intensa reinvenção que se materializa como uma forte transformação cultural e econômica, que cada vez mais se acelera e vem de fato melhorando a qualidade de vida de sua população. Os chineses hoje não acumulam somente o título de uma das maiores populações do mundo, mas, como uma das maiores economias, um dos melhores ambientes de produção industrial e inovação, caminhando para alcançar níveis de qualidade de vida muito atrativo para as pessoas.

Missão empresarial da Chiana visou ampliar os negócios do Brasil com a China pelo Acre. Foto: Cedida

No campo dos negócios, a China é o país que concentra a maior produção industrial, com uma indústria que se desenvolveu baseada na criação de várias Zonas de Processamento e Exportações, criadas para atrair indústrias estrangeiras e gerar empregos. Tal estratégia capacita e fomenta milhares de indústrias chinesas, que hoje conseguem fabricar produtos e soluções para todos os segmentos que pudermos pensar, com ótimo nível de tecnologia, elevada capacidade de produção e níveis de inovação inacreditáveis.

Assim, neste aspecto, a China é o maior fornecedor de todo tipo de produto acabado, bem como de equipamentos, maquinário, tecnologia e soluções para quem quer fazer, montar, ampliar ou operar um negócio, atendendo a todos os segmentos como agricultura, indústria, comércio, serviços e tecnologia. O que qualquer empreendedor necessitar, a China pode fornecer, e essa á a grande oportunidade.

Para fortalecer ainda mais os laços econômicos com outras nações e também projetar sua influência em escala global, a China vem implementando um projeto denominado de “Cinturão e Rota” (Belt and Road Initiative-BRI), algo equivalente à antiga “Rota da Seda”, que vem sendo implementada com projetos de infraestrutura, objetivando integração do país às diversas regiões do mundo, na intenção de solidificar sua posição como ator chave na arena internacional.

Dentro desta estratégia, a China vem implantando o Porto de Chancay, localizado a 70 km da cidade de Lima, no Peru. Será o principal porto entre a Ásia e a América do Latina. O investimento bilionário tem previsão para iniciar suas operações no final deste ano. A obra tem se conectado com a nossa estrada interoceânica.

Assim, com a implantação deste importante Porto, se abrirão grandes possibilidades de ampliar o fluxo de negócios da Ásia com o Brasil, com perspectivas de redução do tempo de frete. No meio deste caminho estamos nós, o Acre, que através de nosso corredor interoceânico pode ser um importante elo logístico entre o Brasil e o Pacífico.

Atualmente, no comércio exterior, a China ainda não é o maior parceiro do nosso estado, mas podemos registrar que no campo das exportações já acontecem alguns negócios, como a nossa soja exportável e a carne suína, além de alguns produtos industrializados que são importados.

Ampliar os negócios do Brasil com a China pelo Acre tem sido uma estratégia que o governo Gladson Cameli tem apoiado, juntamente com a Assembleia Legislativa e as instituições empresariais, como as federações e o Sebrae.
Assim, todos tem trabalhado na busca de ampliar os negócios em comércio exterior incluindo também a China como parceiro.

Podemos destacar algumas iniciativas que vêm acontecendo, como a agenda do próprio governador Gladson Cameli em divulgar o Acre em eventos globais, o trabalho do fortalecimento e a promoção do nosso corredor interoceânico, a retomada das obras do anel viário e ponte de Brasileia, a ampliação da equipe de agentes sanitários por parte do Ministério da Agricultura e Pecuária (Mapa), o credenciamento de nossa proteína bovina e suína para comercializar com a China, a reestruturação da nossa Zona de Processamento de Exportações, e o estímulo e apoio aos empresários para exportar e importar.

Com relação ao estímulo para os empresários, foi realizada a Missão Acre para China que aconteceu no período de 14 à 29 de abril, que contou com a participação de 38 pessoas entre empresários, representação da Assembleia Legislativa e representação do governo do Estado do Acre.

Esta missão já vinha sendo pensada a mais de quatro anos, tendo sido postergada na época da pandemia, mas que por um esforço das federações empresariais, do SEBRAE/AC e dos próprios empresários, com apoio do governo do Estado do Acre e da Assembleia Legislativa, ela foi realizada.

Durante esses dias, os membros da comitiva acreana puderam participar da maior feira de negócios da Ásia, que é a Canton Fair, que acontece anualmente na cidade de Guangzhou, próximo a Hong Kong. Esta feira é uma amostra de todos os produtos, equipamentos, máquinas e soluções que a indústria chinesa possui em diversos segmentos e para atender a todos os setores econômicos.

Além da visita na feira, a comitiva pode participar também de encontros com empresários, autoridades e visitas em indústrias de acordo com seus interesses específicos.

Foram dias intensos, mas de grande aprendizado para todos, pois os acreanos tiverem primeiro que aprender a superar algumas situações, como enfrentar mais de 60 horas de translado aéreo, a diferença drástica do fuso horário, a dificuldade de comunicação, a necessidade de adaptação cultural e alimentar,  adaptar-se ao formato de relacionamento, e conseguir seu principal objetivo, que é o conhecimento de como fazer negócios com empresas chinesas.

Apesar dos desafios, em avaliação preliminar desta missão, estamos com a certeza de que foi uma iniciativa muito promissora, pois todos se saíram muito bem. Presentes nas atividades, alguns fecharam negociações, mas todos certamente adquiriram a capacidade e o conhecimento e a certeza de que é possível e simples realizar negócios com chineses e fortalecer seus negócios ou criando novos negócios.

Assim, estamos retornando para casa com a sensação do dever cumprido e, neste sentido, quero agradecer e parabenizar a todas as entidades que apoiaram esta missão, como a Fecomércio, a Federacre, a Fieac, a Faeac, a ACISA, a ACECS, o SEBRAE (como principal apoiador), ao governo do Estado do Acre e à Assembleia Legislativa, e, em especial, a todos os empresários que se dedicaram a investir tempo e dinheiro, nesta importante agenda.

Agora vamos colher os frutos dos desdobramentos desta missão e que tenham todos excelentes negócios, pois nosso estado precisa de mais negócios, o que se desdobra em mais empregos para nossa população.

Assurbanípal Mesquita é engenheiro eletricista, coordenador da Câmara Técnica do Comércio Exterior do Fórum de Inovação e Desenvolvimento, atual secretário de Estado de Indústria, Ciência e Tecnologia do governo do Acre.

Por Assurbanipal Mesquita*

Compartilhe:

spot_img

Notícias relacionadas :

spot_img

NÃO DEIXE DE LER

VEJA O QUE ACONTECE NO BRASIL E NO MUNDO