sexta-feira, 1 março 2024 - 17:01
spot_img

Em conquista inédita, artista acreana vence campeonato nacional de Poesia Falada no RJ: ‘não imaginava’

Medusa AK é slammer, tem 19 anos e trouxe título inédito para o cenário artístico do Acre — Foto: Arquivo pessoal

“Cristina sonhou com muita coisa e a Medusa está realizando tudo por mérito”.

O trecho acima é de um texto publicado pela artista Cristina Santos, conhecida como “Medusa AK”, ao vencer o Campeonato Nacional de Poesia Falada Slam das Minas BR na última quinta-feira (19), durante a Festa Literária das Periferias (Flup), no Rio de Janeiro. Esta é a primeira vez que uma acreana ganha o título nacional e traz o troféu para o estado.

Medusa AK tem 19 anos, é estudante do 2º período de Pedagogia na Universidade Federal do Acre (Ufac) e desde os 15, é envolvida com a poesia falada, que é uma expressão artística que une verso e performance em competições. Ela contou que apesar de acompanhar o movimento artístico no início, o interesse em participar ativamente surgiu por acaso.

“Eu saí de casa uma vez para encontrar umas amigas e fui parar na frente do Palácio [Rio Branco] onde estava ocorrendo o Slam, e eu fiquei impressionada porque eu assistia pelo Facebook, mas não sabia que isso existia aqui no Acre. Acabou que eu fiz o meu rolê no Slam, e descobri que no outro dia teria outro campeonato, então eu fui novamente e comecei a me interessar, a escrever as poesias para participar e descobri que tinha um só para mulheres competirem”, comentou.

O movimento a que Medusa faz referência é o Slam das Minas Acre, onde somente mulheres artistas podem competir entre si. A poeta disse que, apesar de ser um ambiente afetuoso e de acolhimento, ela, por ser muito nova, se sentia insegura na época em que começou. Contudo, começou a assistir ativamente e a treinar em casa para trilhar, futuramente, os primeiros passos em competições menores. Mal sabia ela que, a partir da primeira performance, chegaria até à edição nacional pela primeira vez, em 2022, no Rio de Janeiro.

“As pessoas começaram a descobrir que eu estava escrevendo e me preparando para entrar na cena. E nessa eu, simplesmente, fui chamada para o Slam das Minas Acre, sem ter me inscrito. Comecei a chorar, ficar nervosa, mas já tinham chamado, me acolheram. Eu fui na primeira vez e ganhei, mesmo sem querer competir, e aí eu disparei. Como era uma edição especial, ganhei uma vaga para representar o Slam das Minas na competição estadual”, relembrou.

Acre em cena

Na primeira participação nacional da acreana em 2022, Medusa AK recitou poesia exaltando o Acre — Foto: Arquivo pessoal

Na primeira participação nacional da acreana em 2022, Medusa AK recitou poesia exaltando o Acre — Foto: Arquivo pessoal

Esta foi a segunda vez de Medusa no Rio, oportunidade esta que a consagrou como campeã nacional em uma edição que celebra os 15 anos de Slam no Brasil. É um título inédito para o cenário artístico acreano e para a carreira dela, que foi sozinha em busca de um sonho e voltou com a conquista e com muita história para contar em versos.

“Ainda existe uma escassez muito grande de nortistas na cena, quem tem mais visibilidade são as cidades grandes como São Paulo e o Rio de Janeiro, principalmente. Ter ido a primeira vez foi muito forte porque muitas pessoas que estavam no Rio me parabenizaram e falaram da importância de ter representante do Acre. Trazer o título indo no segundo ano foi muito surreal porque eu acreditava, eu treinei para que trouxéssemos pelo menos o pódio para casa. Mas trazer o 1º lugar foi surreal, não imaginava que teria essa capacidade”, disse.

Segundo a jovem, o tema de poesias nestas competições costuma ser livre, desde que não ultrapasse a margem de tempo de três minutos. O preparo foi intenso para que a regra não fosse descumprida. Para tanto, precisou cortar alguns versos das três que apresentou a um público que vibrava, freneticamente, a cada parte que ela recitava.

Medusa recitou três poesias e foi consagrada campeã nacional do campeonato de poesia falada na quinta-feira (19), no Rio de Janeiro — Foto: Arquivo pessoal

Medusa recitou três poesias e foi consagrada campeã nacional do campeonato de poesia falada na quinta-feira (19), no Rio de Janeiro — Foto: Arquivo pessoal

Na última fase da competição, quando já estava garantida no pódio e sendo a única da região Norte, ela arrancou, com maestria, cinco notas 10 dos jurados que o colocaram no lugar mais alto: o primeiro lugar.

“A poesia salva vidas, tanto de quem recita como de quem ouve. Muitas vezes, vamos a campeonatos dentro de periferia e as crianças estão assistindo a gente. Por mais que, muitas vezes elas não entendam, mas elas acham bonito e se identificam quando, por exemplo, um poeta está recitando a dificuldade que é não ter o que comer dentro de casa. O movimento hip-hop entende o que acontece dentro das periferias”, frisou.

A artista pretende ser conselheira tutelar para atuar na causa educacional dos pequenos e, principalmente, na importância de se combater o abuso e exploração sexual de crianças e adolescentes.

“Eu falo da minha infância, que ainda é algo muito forte para mim, e estou nesse processo de cura através da poesia, pois nada melhor do que se curar falando da sua dor. Ninguém esperava que o Acre fosse chegar tão longe e a gente chegou. Esse título é só o primeiro”, enfatizou.

 

G1 AC

Compartilhe:

spot_img

Notícias relacionadas :

spot_img
spot_img

NÃO DEIXE DE LER

spot_img

VEJA O QUE ACONTECE NO BRASIL E NO MUNDO