sábado, 22 junho 2024
spot_img

MinC seleciona bolsistas para programa de formação de Agentes Territoriais da Cultura no Acre

O Comitê de Cultura Cia. Visse e Versa Acre divulga a seleção do programa Agentes Territoriais da Cultura, do Ministério da Cultura (MinC), promovida em parceria com o Instituto Federal do Acre (Ifac) e o Instituto Federal do Pará (IFPA), a partir do Programa Nacional de Comitês de Cultura (PNCC).

Com 601 vagas para pessoas físicas em todo o país, sendo um total de 64 vagas para a região Norte, o programa vai selecionar cinco agentes territoriais de cultura no Acre.

A seletiva é voltada para pessoas que deverão ter conhecimento sobre as dinâmicas culturais e locais de suas comunidades, que irão desenvolver atividades de promoção do acesso à cultura nestas localidades.

As inscrições podem ser feitas até o dia 27 de Maio, por meio da plataforma Mapa Cultural. Podem participar apenas pessoas físicas que atendam aos seguintes requisitos: a partir de 18 anos de idade; alfabetizadas e com habilidades mínimas no uso de tecnologias digitais; residentes na Região Imediata do estado correspondente a vaga para a qual irá se inscrever; com reconhecida atuação na área cultural em seu território, o que compreende o fazer e a produção de atividades culturais; e disponibilidade de atuação de 20 horas semanais.

Serão atribuídos cinco pontos extras com base na inscrição e autodeclaração apresentadas para as candidaturas de mulheres; pessoas jovens (de 18 a 29 anos); pessoas negras (pretas ou pardas); pessoas indígenas; pessoas com deficiência; pessoas quilombolas; e pessoas trans.

A carga horária de atividades dos Agentes Territoriais de Cultura é de 20 horas semanais, distribuídas da seguinte forma: formação (5 horas), planejamento e orientação (2 horas), articulação e mobilização (10 horas) e sistematização (3 horas).

“Parece que estamos vivendo um sonho, onde tudo que sempre lutamos: a democratização das políticas culturais pode se concretizar através deste programa. Ter os comitês atuando em todos os estados, em rede de articulação regional e nacional, com a presença dos Agentes Territoriais de Cultura, é muito importante para o mapeamento em toda sua profundidade social e cultural nas buscas ativas dos trabalhadores e trabalhadoras da cultura, na sua mais pura diversidade será um braço dos Comitês. Os Agentes Territoriais, coordenados pelos Institutos Federais, vão somar na retomada da construção de um Sistema Nacional de Cultura fortalecido e orgânico”, destacou Lenine Alencar, coordenador do Comitê de Cultura Cia. Visse e Versa Acre.

Benefícios

 Cada selecionado receberá bolsa (mensal) de R$ 1.200,00 durante o período de 12 meses, podendo ser renovado por até igual período; auxílio inclusão digital – de R$ 1.000,00, depositado em parcela única; e auxílio inclusão digital (mensal) de R$ 25,00, durante o período de 12 meses, podendo ser renovado por até igual período.

 Qualificação

O edital busca qualificar profissionais para o desenvolvimento de ações culturais em suas comunidades e territórios, a partir dos princípios da educação popular, do combate a todas as formas de discriminação e da valorização da diversidade cultural, étnico-racial e regional, estimulando a economia da cultura e as cadeias produtivas locais.

Os agentes aprovados receberão formação continuada para a realização de atividades de mapeamento participativo, comunicação e mobilização social em seus territórios. Também estão previstos encontros, eventos, ações de mobilização e articulação nas comunidades.

PNCC

O PNCC visa a ampliação do acesso às políticas públicas de cultura, com o fortalecimento da democracia e da participação popular e cidadã. A ideia é mobilizar pessoas de todo o país, a fim de mobilizar e formar agentes para disseminação cultural, também com apoio a elaboração de projetos e formação de parcerias.

O Programa Nacional dos Comitês de Cultura é uma articulação territorial nacional que visa promover iniciativas e ações de mobilização social, formação em direitos e políticas culturais, apoio à elaboração de projetos e parcerias, comunicação social e difusão de informação e conhecimento sobre as políticas culturais.

As atividades são feitas por meio da rede de parceiros do programa, dos Comitês de Cultura e de Agentes Territoriais de Cultura. Estão abertas à participação de todas as pessoas, uma vez que são espaços de debate, comunicação e mobilização da sociedade civil.

 Comitê de Cultura Cia. Visse e Versa Acre

No Acre, o projeto do Comitê de Cultura Cia. Visse e Versa Acre, permitirá ampliação e fortalecimento do acesso às políticas culturais, por meio de ações de mobilização e formação, apoio à elaboração de projetos e parcerias, comunicação e difusão de informações sobre políticas culturais e direitos, envolvendo povos originários e comunidades tradicionais, mulheres, pessoas LGBTQIAP+ e com deficiência.  Também potencializará a comunicação e difusão de informações sobre direitos, fundamental para aumentar a conscientização da população sobre políticas culturais.

As ações do Comitê  de Cultura Cia. Visse e Versa Acre no mês de abril e maio envolveram as Escutas da Política Nacional Aldir Blanc de Fomento à Cultura (PNAB) para o Plano de Aplicação de Recursos (PAAR) de Rio Branco, e a preparação para a próxima atividade com a Caravana Cultura como Direito.

“Nós vamos realizar a Caravana para apresentar os trabalhos do Comitê de Cultura da Companhia Visse Versa Acre, que vai levar aos municípios que estão nas zonas imediatas prioritárias uma ação grande de seminário, formação, apresentações culturais, sempre procurando envolver os fazedores e fazedoras dos municípios que estão lá na ativa com seus trabalhos, sejam na parte do patrimônio, com a cultura popular, com os povos indígenas ou os artistas da música, das artes visuais, da dança, do teatro. Enfim, envolver essas pessoas e promover uma capacitação, formação, além de levar informação sobre a cultura, as políticas culturais”, explica a coordenadora do Comitê de Cultura Cia. Visse e Versa Acre, Cláudia Toledo.

Cláudia observa ainda que o trabalho vai viabilizar a profissionalização dos fazedores de cultura. “Um grande movimento de articulação e profissionalização dessas pessoas que estão na ponta, fazendo o seu trabalho há muito tempo e que, muitas vezes, não têm o alcance a esses programas, aos editais, ao fomento da cultura através da gestão dos governos. Essas pessoas que estão mais distantes dos centros e que, de alguma forma, estão ali promovendo a cultura nas suas comunidades, nos seus territórios. Com a Caravana, pretendemos alcançar o máximo de pessoas possíveis para que a gente possa ter uma política cultural, uma cultura mais fortalecida e de participação ativa da sociedade”.

 O projeto faz parte do Programa Nacional dos Comitês de Cultura (PNCC) do Ministério da Cultura (MinC), iniciativa que tem com o objetivo ampliar o acesso às políticas públicas de cultura, fortalecendo a democracia e a participação popular e cidadã no âmbito das políticas socioculturais e do Sistema Nacional de Cultura (SNC).

Compartilhe:

spot_img

Notícias relacionadas :

spot_img

NÃO DEIXE DE LER

VEJA O QUE ACONTECE NO BRASIL E NO MUNDO