sábado, 25 maio 2024 - 3:15
spot_img

MPF pede que Polícia Federal investigue comentário homofóbico contra promotor do Acre

No último dia 19, o Ministério Público do Acre (MP-AC) pediu a abertura de um inquérito policial para apurar o possível ocorrido em comentário feito em uma rede social.

No comentário, um homem identificado como Pablo Felipe afirma: “Esse g.a.y (sic) lá sabe de nada”. Em resposta, um outro usuário diz a Pablo Felipe: “toma cuidado, vc (sic) vai ser preso”. De acordo com o MP-AC, o primeiro comentário foi publicado em uma matéria que citava Tranin, e configura crime de racismo, ao qual a homofobia é equiparada.

O pedido de apuração pelo MP-AC foi assinado pela promotora Patrícia Rego, coordenadora-geral do Centro de Atendimento à Vítima (CAV).

Já nessa segunda-feira (29), o procurador Regional dos Direitos do Cidadão no Acre, Lucas Costa Almeida Dias, enviou um ofício à PF-AC solicitando o início das investigações. Conforme o procurador, a ‘prática representa uma violência contra essa coletividade, provocando danos à saúde mental das vítimas”

“A postagem demonstra como a internet tem servido de palco para o ódio à população LGBTQIA+ e escancara a realidade discriminatória alimentada pela ideia de que é um território sem lei”.

O g1 não conseguiu contato com Pablo Felipe.

Tranin conta que soube do caso através da imprensa, quando um jornalista entrou em contato para falar sobre o caso. Ele pensou que o jornalista se referia a um caso anterior, e quando soube do novo ataque, encaminhou as informações à promotora Patrícia.

“Fiquei sabendo pela imprensa. Um repórter amigo ligou para mim perguntando sobre esse caso. Achei até que ele estivesse falando sobre aquele caso do policial penal, do ano passado. Eu falei: ‘não, isso já tem sete meses’. E ele me explicou que não, que um site tinha publicado, e mandou para mim”, diz.

“É uma agressão gratuita de uma pessoa que nem conheço. Não sei nem o contexto que ele fez esse comentário, deve ter sido em alguma outra matéria que eu devia estar atuando. Nem sei, pois só tem o print pequeno. É lamentável que as pessoas ainda sejam atacadas pela sua orientação, pela cor da pele, ou por qualquer outra coisa, alguma religião que segue. É triste, mas a gente tem que combater”, finaliza.

Compartilhe:

spot_img

Notícias relacionadas :

spot_img
spot_img

NÃO DEIXE DE LER

VEJA O QUE ACONTECE NO BRASIL E NO MUNDO