domingo, 19 maio 2024 - 12:27
spot_img

Rio Juruá baixa 35 centímetros em cinco dias e esforços se concentram em levar assistência no pós-cheia

O Rio Juruá, que corta a maioria dos municípios da segunda maior região acreana, segue baixando. Somente em Cruzeiro do Sul, localidade em que cerca de 20 mil ribeirinhos foram afetados pela enchente, o manancial apresentou sinais de vazante na última sexta-feira, 8, quando marcava 14,4 metros. Em relação à medição das 6h desta segunda-feira, 11, quando o rio registrou 13,69 metros, a redução é de 35 centímetros.

Rio Juruá segue baixando em Cruzeiro do Sul. Foto: Diego Silva/Secom

Na segunda maior cidade do estado, o desastre ambiental atingiu doze bairros e quatorze comunidades rurais, totalizando 530 pessoas removidas de suas residências, além das 788 famílias que tiveram corte de energia elétrica em suas casas. Até o momento, a cheia no município desabrigou 43 famílias, desalojou 134 e ultrapassou o quantitativo de 4 mil famílias afetadas.

Além da prefeitura local e da União, toda estrutura governamental na região está a serviço da população atingida pela inundação. Com o decréscimo do nível do manancial, os esforços do Estado e parceiros se concentram para levar aos ribeirinhos a assistência necessária no período pós-cheia.

Rio baixou 35 centímetros em cinco dias e sinais são visíveis nas residências invadidas pelas águas. Foto: Marcos Santos/Secom

“A prefeitura local realiza o acompanhamento do período pós-enchente, colaborando com a reconstrução das residências dos ribeirinhos. Nós, enquanto governo, continuamos monitorando a inundação, por meio da Sala de Situação, onde realizamos a previsão do volume de chuvas no Alto Juruá, região onde se localizam Marechal Thaumaturgo, Porto Walter e afluentes do Juruá, pois a chuva que cai nesses locais influencia diretamente no nível do rio, em Cruzeiro do Sul. Com base nessas informações, podemos orientar o retorno seguro das famílias para suas casas”, ratificou Jozadaque Ibernon, comandante do 4º Batalhão de Educação e Combate a Incêndio Florestal (4⁰ BEPCIF) do Corpo de Bombeiros Militar, em Cruzeiro do Sul.

A Secretaria de Estado de Saúde (Sesacre), por meio da Sala de Situação da Coordenação Regional de Saúde do Juruá, Tarauacá e Envira monitora diariamente o comportamento dos mananciais da regional e, sobretudo, os agravantes epidemiológicos que surgem em decorrência do período de cheia.

Parte do segundo distrito de Cruzeiro foi afetado pela cheia. Foto: Diego Silva/Secom

“A partir de agora, a nossa atenção se volta às doenças de veiculação hídrica, que surgem no período pós-cheia, após a vazante do rio. A leptospirose, por exemplo, nos mantém vigilantes, pois se trata de uma enfermidade que tem alto poder de letalidade”, ratifica Diani Carvalho, gestora local da Sesacre. “Todos os profissionais de Saúde da regional, que atuam no Município ou no Estado, foram capacitados acerca do manejo clínico dessas doenças, pois o governo do Acre entende que o trabalho preventivo é um instrumento que nos ajuda a cuidar melhor da vida das pessoas”, informa a gestora.

Orientações para evitar acidentes

A área inundada pelo Rio Juruá, em Cruzeiro do Sul, equivale a 20 km². Além de pessoas, a região é habitat natural de animais peçonhentos, como serpentes, aranhas e escorpiões. De acordo com o Corpo de Bombeiros Militar, no momento mais crítico da cheia, foram registrados no local cinco acidentes, com vítimas de picadas de serpentes, e duas vítimas fatais em decorrência de choque elétrico e afogamento.

Corpo de Bombeiros, que é o responsável pelo socorro imediato às vítimas, faz orientação à população. Foto: Marcos Santos/Secom

“Orientamos as pessoas para que sejam vigilantes, mantendo sempre as portas e janelas fechadas, a fim de evitar o acesso desses animais à sua casa. Que fiquem atentos aos calçados, observando-os sempre que for necessário o uso deles, e às crianças, para que não sejam vítimas de acidentes. Por fim, pedimos aos moradores de casas que ainda não tiveram o padrão de energia desligados, que evitem transitar nas áreas próximas às redes elétricas. Caso surja emergência, ligue para o 193”, orienta Jozadaque Ibernon.

Água suja e lixo contaminam

Com o decreto de emergência, em que o Município pediu ajuda à União no enfrentamento à cheia, a Coordenação Regional de Saúde solicitou kits, compostos por antibióticos e soro, que irão reforçar as ações da prefeitura local na oferta dos serviços à população vítima das cheias.

Coordenação Regional de Saúde alerta os ribeirinhos sobre o risco do contato com água contaminada e lixo. Foto: Diego Silva/Secom

“A nossa principal recomendação é que os ribeirinhos evitem o contato com água contaminada e com lixo, que não bebam água suja e que usem os Equipamentos de Proteção Individual [EPIs] quando for necessário. O paciente que sentir sintomas, como febre e dores nas articulações, procure as Unidades Básicas de Saúde [Posto de Saúde] ou a Unidade de Pronto Atendimento [UPA], pois nesses locais terão equipes preparadas para dar a melhor orientação”, reforça Diani Carvalho.

Compartilhe:

spot_img

Notícias relacionadas :

spot_img
spot_img

NÃO DEIXE DE LER

VEJA O QUE ACONTECE NO BRASIL E NO MUNDO